Por trabalhar na Justiça Eleitoral, evito citar nomes de políticos e/ou partidos políticos brasileiros (embora eu pudesse fazê-lo sem problema algum, pois sou um cidadão como outro qualquer: o Código de Ética do TRE/RJ não tem vedação nesse sentido, porque o fato de ser servidor público não retira minha liberdade de expressão).

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Caxirolândia 2014: "imagina o mico"

Um país que coloca em importante plano a invenção de um instrumento banal para ser a "segunda vuvuzela" (aquele instrumento irritante que marcou todos os jogos da Copa de 2010, na África do Sul e que foi proibido nos estádios da Europa) não pode ser um país sério, como disse - com razão - Charles de Gaule. 

Com Carlinhos Brown à frente do projeto (aqui ele usa caxirolas para tocar o Hino Nacional para a Presidente da República) foi fácil dizer que se trata de algo genuinamente novo, brasileiro, popular, cultural. Veja o ufanismo e a megalomania no texto politicamente correto usado pela empresa Braskem, que fabrica o plástico usado no instrumento, justificando a "criação" (serão fabricadas mais de 100 milhões dessas: só a Braskem vai se dar bem!)

"A caxirola (...) foi idealizada para se tornar o objeto da expressão das torcidas em 2014, não só em 2014, mas sim um legado sociocultural e musical para o Brasil. É um instrumento 100% brasileiro, criado por Carlinhos Brown em parceria com a The Marketing Store, empresa especializada em produção em larga escala. A Caxirola é produzida com plástico verde de cana de açúcar brasileira e leva o selo "I'm greenTM", que certifica sua origem renovável."

Já fui percussionista (embora quase ninguém acredite!) e pessoalmente gostei do som da caxirola, que nada mais é do que o nosso velho, bom e conhecido caxixi, só que melhorado: não ouve invenção alguma, penso. Mas a caxirola não foi projetada para ser usada em shows por percussionistas ou em rodas de capoeira, mas por milhares de pessoas dentro de um estádio de Copa do Mundo, sem que elas saibam usar o instrumento... vai criar um barulho insuportável! 

Provo o que digo: ouça o som das caxirolas quando tocadas por Carlinhos Brown  e o barulho que elas fizeram ontem no Bahia X Vitória, na Fonte Nova, com o estádio ainda vazio, no primeiro jogo em que foram distribuídas aos torcedores...




Caro leitor: agora imagine seus filhos e netos correndo pela casa com esses chocalhos nas mãos... kkkkk

Em breve começarão a dizer que as críticas são "preconceito" contra o Brasil. Observe que  sou brasileiro e não tenho preconceito contra meu país: tenho opinião, exatamente como podem ter os estrangeiros. Se eles não concordarem conosco é direito deles, não algum tipo de discriminação. 

Tal como ocorreu com o inusitado tatu-bola Fuleco, a primeira impressão não foi boa. Repare nos vídeos acima que a quantidade de "não gostei" é muito superior à do "gostei" e tal manifestação é espontânea. Há críticas no Brasil (aqui) e na semana passada o jornal inglês "The Guardian" publicou reportagem de John Croce (veja)

"Depois da vuvuzela a caxirola (...) se você achou que as vuvuzelas eram ruins, espere até ouvir a caxirola (...) um pedaço de plástico reciclado verde e amarelo - pequeno o suficiente para caber numa das mãos - que parece um pouco com uma pequena granada de mão, mas que produz um inofensivo e não muito alto som de chocalho".


O que sempre marcou nossas arquibancadas foi a batucada. Em vez de lutar junto à FIFA (dona da festa, que é quem pode mandar no espetáculo) para que essas marcas registradas - e espontâneas - se mantivessem, o Brasil investiu nessa coisa chamada "caxirola", que acaba servindo como forma de "protesto" e o povo joga no gramado para o mundo inteiro ver o quanto somos civilizados e estamos preparados para sediar uma Copa do Mundo: "imagina o mico"...


OBS: e olha que nem falei das más condições dos aeroportos, da falta de infraestrutura, dos superfaturamentos nas obras dos estádios, da falta de transporte público adequados, das poucas vagas em hotéis, do caos no trânsito, do "engarrafamento de trios elétricos" etc... kkkkkk

ATUALIZAÇÃO ÀS 19:29 h DE 30/04/13:
Pelo jeito a reportagem da revista Veja leu a postagem acima e escreveu "Caxirola vira mico - e Brown pode perder jogada bilionária"... kkkkkkkkkk

3 comentários:

  1. Imagine esse bulho durante um jogo do Brasil. Será terrivelmente uma doideira.

    ResponderExcluir
  2. Alex Ribeiro Cabral7 de maio de 2013 08:47

    Querem fabricar uma cultura de estádio que nós nem temos. Pelo menos a insuportável vuvuzela era algo genuíno dos torcedores da África do Sul. Aqui, vão vender essa desgraça na copa por 10 reais e um monte de otário vai comprar essa "granada de mão" (kkkkkkkkkkk) achando que tá sendo um típico torcedor brasileiro. É muito difícil. Acho que eles poderiam se preocupar em ensinar novos cantos para a torcida brasileira, que não tem a mínima ideia de como apoiar a seleção, senão gritando essa desgraça batida pra caramba: sou brasileiro com muito orgulho, com muito amor. Isso pra depois de cinco minutos de jogo começar a vaiar o time ou gritar olé no final para o adversário. Nisso eu tenho inveja da Argentina. Podem empatar, perder, a torcida, também da seleção apoia o tempo inteiro. Aqui parece divertido atacar e zoar a própria seleção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com quase tudo, mas a expressão "inveja da Argentina"... isso non ekziste!!!!! Kkkkkkkkkkkk

      Final da Copa: Brasil 6 X 0 Argentina!!!! kkkk

      Excluir

Este é um blog de opiniões.
As postagens não são a tradução da verdade: apenas refletem o pensamento do autor. Os escritos podem agradar ou desagradar a quem lê: nem Jesus Cristo agradou a todos...

Eu publico opiniões contrárias à minha, sem problema algum. A não ser que eu o faça expressamente, o fato de liberar um comentário não quer dizer que eu concorde com o escrito: trata-se apenas de respeito à liberdade de expressão, que muito prezo.

Então por gentileza identifique-se, não cite nomes de políticos nem de partidos políticos brasileiros, não ofenda ninguém e não faça acusações sem provas.

OBS: convém lembrar que a Constituição proíbe o anonimato. Assim sendo, não há direito algum para quem comenta sem assinar: eu libero ou não o comentário se achar que devo.