Por trabalhar na Justiça Eleitoral, evito citar nomes de políticos e/ou partidos políticos brasileiros (embora eu pudesse fazê-lo sem problema algum, pois sou um cidadão como outro qualquer: o Código de Ética do TRE/RJ não tem vedação nesse sentido, porque o fato de ser servidor público não retira minha liberdade de expressão).

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

A voz da gente não sai no jornal

ATUALIZAÇÃO ÀS 12:25 DE 14/08/2012:
Recebi há pouco ligação do Sr. Cláudio Carneiro, responsável pelo jornal online Terceira Via, que gentilmente informou que corrigiu as informações publicadas ontem a respeito do Pólo Eleitoral, que não condiziam com a realidade.
Agradeço a gentileza e fico feliz por ver tal compromisso com a verdade da parte do jornal Terceira Via.


DESMENTIDO
:

Fui surpreendido há pouco com uma reportagem publicada no Jornal Terceira Via. Surpreendido porque o que foi publicado não é verdade.

1 - a Justiça Eleitoral não cobra decisões ao TRE, porque é subordinada àquele órgão;

2 - Não foi enviado ofício algum ao TRE "cobrando a definição do coordenador do pólo eleitoral na cidade". Houve sim um contato telefônico, onde o assunto foi abordado;


3 - O Pólo está sendo montado de acordo com as instruções recebidas do TRE, que organiza o cronograma. As instalações físicas já estão prontas há cerca de um mês, data da foto mostrada na reportagem;

4 - O nome do Coordenador já foi definido pelo Juiz responsável há mais de dois meses e está aguardando trâmites burocráticos para ser anunciado;

5 - Caso o TRE não faça a nomeação até o dia 17 de agosto, os trabalhos nos cartórios eleitorais NÃO ficarão comprometidos. Nesta semana chegarão as urnas e a equipe responsável por tal serviço já foi contratada pela empresa responsável;
Atualização às 07:42 h de 14/08/2012: onde se lê "chegarão as urnas" leia-se "chegará o material de apoio", porque a chegada das urnas ainda está sendo definida pelo TRE.

6 - É verdade que eu afirmei que nas eleições passadas nesta época a nomeação já havia sido feita, mas há três semanas tenho dito quase que diariamente à reportagem do Terceira Via (e repeti isso hoje!!!) que não havia novidade alguma a respeito.

7 - Como não foi enviado ofício algum ao TRE a respeito, é impossível que o mesmo seja respondido "até o dia 17 de agosto", até porque o TRE é superior a uma Zona Eleitoral e tenho a perfeita noção de que devo seguir a hierarquia existente.

Já dizia Chico Buarque: "a voz da gente não sai no jornal..."

10 comentários:

  1. Companheiro, me tira uma dúvida. Sou mesário desde o referendo das armas. EU poderia solicitar a minha dispensa do serviço de mesário? Na última eleição eu pedi pra sair na Ata. Mas este ano me chamaram novamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem, como a pessoa não informou o nome nem de onde é mesário, tenho que responder de forma genérica. Vamos lá:
      1 - Não existe um "direito" à dispensa. Enquanto o Juiz convocar o cidadão tem que atender.
      2 - O prazo para solicitar a exclusão é de cinco dias após a publicação do edital e o interessado tem que requerer a dispensa ao Juiz, alegando os motivos que tiver. Se o Juiz deferir o pedido o Cartório faz a troca.
      3 - Caso se trata de um dos mesários da 98ª ZE (Campos - RJ), basta nos procurar que nós trocamos: lá só trabalhamos com voluntários (mas é uma opção de trabalho nossa, não um direito do mesário).
      Obrigado.

      Excluir
  2. Bom dia Marcelo,

    será que voce terá espaco para reparar isso no jornal? Ou vai ter que fazer isso aqui mesmo no blog?

    Voce sabe a quantas andas a regulamentacao do direito de resposta?

    Abraco,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Direito de resposta não precisa de regulamentação, pois é norma auto-aplicável (podem até fazer a lei, mas não depende dessa regra para o exercício de tal direito).
      Não solicitei a correção ao jornal ainda, porque para mandar e-mail para eles tem que fazer um cadastro que não consegui fazer.

      Excluir
    2. Amigo Bessa,

      reproduzi a reportagem no Sociedade Blog, mas tive o cuidado de alterar o título da postagem, pois achei estranha a colocação de "cobrarem" algo do TRE, assim, publicamente.
      DE qualquer forma, reproduzi seu desmentido em nova postagem feita há 5 minutos. Peço desculpas por qualquer mal entendido.

      Forte abraço.

      Excluir
    3. Obrigado, Neto.
      Não se preocupe com o mal entendido, pois ele não foi gerado por você.
      Provavelmente nem foi por mal, mas já estou em contato com a pessoa que fez a reportagem, para que ela a corrija.

      Excluir
  3. João Alfredo Gomes14 de agosto de 2012 17:43

    Isso é que dá esses veículos de comunicação contratarem estagiários e não profissionais de verdade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se ocorreu isso no caso citado.
      Bom que agora a notícia já foi corrigida e tal é a forma correta de agir.
      Obrigado pela participação

      Excluir
  4. Obrigado pela resposta. Sou mesário da zona 76ª. Uma vez que eu procurei p pedir p sair uma funcionaria me disse que eu não poderia fazer a solicitação e ainda me disse para ficar quieto. Infelizmente tem muita gente arrogante no meio. E eu ainda sou filiado a um partido. Não vou poder atuar na fiscalização do meu partido. Como fiscal de partido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu disse acima, dependendo do prazo realmente não é possível, sair, de acordo com a lei.
      Mas não comento casos específicos ligados a outras ZE's.

      Excluir

Este é um blog de opiniões.
As postagens não são a tradução da verdade: apenas refletem o pensamento do autor. Os escritos podem agradar ou desagradar a quem lê: nem Jesus Cristo agradou a todos...

Eu publico opiniões contrárias à minha, sem problema algum. A não ser que eu o faça expressamente, o fato de liberar um comentário não quer dizer que eu concorde com o escrito: trata-se apenas de respeito à liberdade de expressão, que muito prezo.

Então por gentileza identifique-se, não cite nomes de políticos nem de partidos políticos brasileiros, não ofenda ninguém e não faça acusações sem provas.

OBS: convém lembrar que a Constituição proíbe o anonimato. Assim sendo, não há direito algum para quem comenta sem assinar: eu libero ou não o comentário se achar que devo.